quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Cristina Campo foi escritora, poetisa e tradutora. E deixou-nos pérolas como esta:

 Maturidade: Aquele instante misterioso que nenhum homem alcança antes do tempo, mesmo que todos os mensageiros do céu descessem para o ajudar. Assim sucede nas antigas histórias com a série das aparições: todas igualmente eloquentes e ineficazes: a pomba, a raposa, a velha com o molho de silvas. Contudo dizem todas a mesma coisa, repetem e insistem no mesmo aviso. Seria fácil entrever por baixo das penas, do pêlo ruivo ou dos andrajos o relâmpago azul-celeste do trajo da Parca.
            Maturidade: nem fulminações, nem vozes. Só um precipitar inesperado, quero dizer, biológico: um ponto que deve ser tocado por todos os órgãos ao mesmo tempo para que a verdade se possa tornar natureza.
            É como acordar uma manhã e saber uma língua nova. E os sinais, vistos e revistos, tornam-se palavras. 
            Os Imperdoáveis, Assírio & Alvim, pág. 158

1 comentário:

  1. Tenho de ler este. Muito a propósito do que muitas vezes falamos

    ResponderEliminar