segunda-feira, 7 de maio de 2012

Há poetas a mais?

Cena final de O Clube dos Poetas Mortos
       Era este o tema de um debate paralelo à Feira do Livro de Lisboa, há uns dias atrás. Não sei se os participantes chegaram a alguma conclusão. A mim, parece-me evidente que este nosso mundo até tem poetas a menos.
          A minha abordagem à poesia é a de John Keating, o professor de inglês de O Clube dos Poetas Mortos. Não me interessa a métrica, nem a correcção da rima ou as consequências da falta de coordenação entre os versos. Deixo esses pormenores cheios de importância para os especialistas. Eu dou-me ao supremo luxo de ler o poema com a alma. Encontro nele a alegria, a tristeza, a revolta, o amor, o ódio, a indiferença, o ódio, o desprezo e a esperança. Tudo isto. Ou nada disto. Para mim, tudo se resume afinal a parafrasear o poeta fingidor: chego a sentir como minha a dor que ele finge ou deveras sente?
          Aos meus poetas de eleição, já os conhecia antes de os ler. Reconheci nos seus versos aquilo que já trazia dentro de mim, mas ainda não sabia. E o mais curioso é que há poetas que anteciparam o nosso encontro. Como o norte-americano Walt Whitman. É o autor do inesquecível Oh captain, my captain. 
        A mim, e aos seus demais leitores do futuro deixou, em especial, este poema:
                            
          Agora cheio de vida, pleno, visível,
          Eu, com quarenta anos, no octogésimo terceiro ano destes Estados,
          Para alguém daqui a um século ou alguns séculos,
          Para ti, ainda por nascer, estas palavras, procurando-te.

          Quando as leres, eu, que estava visível, estarei invisível,
          E tu serás pleno, visível, entenderás os meus poemas, procurando-me,
          Imaginando como serias feliz se eu pudesse estar contigo e ser teu companheiro;
          Que assim seja como se eu estivesse contigo. (Não tenhas demasiada certeza, mas estou neste momento contigo).
                                               In Folhas de Erva, Relógio d’ Água, pág. 136

Sem comentários:

Enviar um comentário