quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

A poem a day keeps the doctor away

Ontem descobri este poema de José Carlos Ary dos Santos. Talvez já o conheçam, mas não podia deixar de o partilhar aqui. Podem faltar muitas coisas no nosso País. Mas nunca nos faltaram poetas capazes de transpor para palavras o que sentimos.

Kyrie

Em nome dos que choram,
Dos que sofrem,
Dos que acendem na noite o facho da revolta
E que de noite morrem,
Com a esperança nos olhos e arames em volta.
Em nome dos que sonham com palavras
De amor e paz que nunca foram ditas,
Em nome dos que rezam em silencia
E falam em silêncio
E estendem em silêncio as duas mãos aflitas.
Em nome dos que pedem em segredo
A esmola que os humilha e destrói
E devoram as lágrimas e o medo
Quando a fome lhes dói.
Em nome dos que dornem ao relento
Numa cama de chuva com lençóis de vento
O sono da miséria, terrível e profundo.
Em nome dos teus filhos que esqueceste,
Filho de Deus que nunca mais nasceste,
Volta outra vez ao mundo!       

                 
                                in Obra Poética, Edições Avante, pág. 101

1 comentário: