quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

A lista de Madonna





Imagem extraída daqui

        Passaram mais de trinta anos sobre a data de lançamento de Like a virgin o trabalho que fez de Madonna uma estrela mundial nos anos 80 do século passado. A sua postura artística mudou e o mundo sofreu alterações profundas. Mas Madonna continua a ser uma referência cuja influência vai muito para lá da cena musical. 
         Embora nunca tenha sido uma admiradora incondicional à medida que fui acompanhando o seu percurso ao longo dos anos percebi que Madonna se tornou um ícone cultural porque, ao contrário de muitos outros que desaparecem ao fim de 15 minutos de fama (às vezes menos), é mais do que imagem. Tem substância. Não me surpreendeu por isso quando vi a lista dos livros que lhe mudaram a vida, onde se incluem Guerra e Paz de Tólstoi, Por quem os sinos dobram de Hemingway ou Não matem a cotovia de Harper Lee (lista completa aqui). Claro que não faltarão vozes cépticas a interrogar-se se estes livros foram realmente lidos. Eu acredito que sim. Até pode ser que Madonna não entre para a história como uma artista de alta cultura. Mas é também o conhecimento que tem dela que lhe tem permitido reinventar-se e manter-se em cena ao longo de tantos anos, ao invés de se reformar e editar uns best of de quando em vez. 

  

1 comentário:

  1. é verdade. e acho também que teve uma grande influência no modo de ver a sexualidade por pelas massas. Não vou tão longe como a Camille Paglia (http://www.nytimes.com/1990/12/14/opinion/madonna-finally-a-real-feminist.html) mas creio que a Madonna pode não ser um ícone da revolução sexual, porque essa já tinha acontecido desde os anos sessenta principalmente no contexto estudantil e intelectual, mas sem dúvida foi esse ícone para o grande público.

    ResponderEliminar