quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Conselho do dia






        Carpe diem (aproveita o dia) é uma frase retirada de um poema de Horácio (65-8 A.C.) sobre a impossibilidade de sabermos o que o futuro nos reserva e sobre como o melhor uso que fazemos do tempo que foge é aproveitá-lo o melhor possível. A expressão é também recordada no filme O Clube dos Poetas Mortos onde Robin Williams dava vida ao professor de inglês que todos gostaríamos de ter tido. 
     Aquela máxima latina parece-me sábia mas também algo inquietante. Aproveitar o dia todos os dias pressupõe uma capacidade de nos sobrepormos a uma séria de actividades quotidianas que são até prosaicas (como estar na fila do supermercado ou à espera de ser atendido num consultório médico). Mas ainda aí pode aproveitar-se o tempo o melhor possível. 
     Aproveitar o livro (carpe librum) até pode ser uma solução para esses momentos (certamente melhor do que fazermos uso desse tempo para falar ao telemóvel, obrigando todas as pessoas à volta a ter conhecimento dos nossos pequenos grandes assuntos). Afinal, para alguma coisa se inventaram os livros de bolso. Aliás, diz a lenda que Sir Allen Lane teve precisamente a ideia de os criar (através da Penguin Books) ao verificar a falta de materiais de leitura de qualidade para as suas viagens de comboio numa estação onde se apeou. 

Sem comentários:

Enviar um comentário