segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Borges






           "Quem sou eu para ficar ao lado de Euclides da Cunha, Camões ou Montaigne? Não sou ninguém!"  disse Borges. Tenho de discordar. claro. Com veemência. Onde poderia figurar se não ao lado dos maiores nomes da literatura universal? 
          Nasceu a 24 de Agosto de 1899. Escreveu muito e leu ainda mais. Quando me sinto quase derrotada pelas pequenas grandes contrariedades da vida penso em Borges. Não apenas na sua vida. Também na sua obra. No que já li (e quero reler) e no muito que ainda não li. É animador pensar que a escrita dele está à minha espera. Não vou faltar ao encontro. Fica aqui a sua última entrevista. 

     

sábado, 1 de agosto de 2015

O paraíso das mulheres

Quando era miúda o meu pai prometia levar-me aos alfarrabistas se me portasse bem A primeira vez que essa promessa surgiu perguntei-lhe “mas tem mais livros que a livraria Ler?”. Na altura, essa livraria de Campo de Ourique era o meu diapasão para determinar se a deslocação valia a pena. O meu pai foi peremptório: “Muitos mais.” Tinha razão. E as nossas visitas aos alfarrabistas foram-se tornando regulares ao longo dos anos. Foi nessas lojas na Baixa que encontrei tesouros como a Ana Karenina de Tolstói ou os meus primeiros livros de Zola e Balzac. Foi num pequeno alfarrabista perto da estação do Rossio que comprei História de Duas Cidades de Dickens e me apaixonei pelo amor de Sydney Carlton por Lucie Manette. Hoje com a profusão de edições de bolso e reedições não é fácil explicar o jeito que os alfarrabistas davam. Mas o seu encanto não esmorece. Quando os visito nunca volto de mãos vazias. Há sempre qualquer coisa a um preço convidativo que é imperdível. Às vezes, é um livro de um autor de que já ouvi falar milhentas vezes mas que nunca tinha encontrado, como sucedeu recentemente com Pierre Loti. Outras vezes, é um livro totalmente inesperado que nem sabia que existia, mas que é irresistível. É o caso deste O Paraíso das mulheres de Blasco Ibanez um autor espanhol do final do século XIX/ início do século XX. Com tal título, esta capa e por €2,50 vale a pena explorar onde será essa terra mítica. Darei notícia do que por lá encontrar.