terça-feira, 11 de junho de 2019

Anne das Empenas Verdes, L.M. Montgomery

Resisti muito a este livro. Tinha uma recordação maravilhosa de Ana dos Cabelo Ruivos, em versão banda desenhada dos meus tempos de menina. Havia, pois, algum receio de perder essa boa memória. Por outro lado, não só propriamente uma apreciadora de literatura infanto-juvenil. Com alguma pena, diga-se. Harry Potter passou-me ao lado, o mesmo sucedendo com a saga de Amanhecer. Mas, para além das óbvias mais valias lúdicas, ler livros juvenis tem outras vantagens para os leitores adultos. Um olhar fantasioso num mundo que disso anda precisado. A oportunidade de ler mais longe e fundo, pois é sabido que todos os textos (ou quase todos) têm diversos níveis de leitura.
Li, assim, este Ana das Empenas Verdes. E ainda bem que o decidi fazer. Porque esta heroína é ainda mais encantadora do que a recordava. Orfã de pai e mãe, esteve entregue a duas famílias que pouco a estimaram, antes de dar entrada no orfanato. É dela que vai para Avonlea, viver com os irmãos Mathew e Marília. Esta última fica algo contrariada pelo facto de Ana não ser um rapaz. Mas em breve se esquece dessa preferência para passar a ter o espírito ocupado com a tagarelice, vivacidade e imaginação de Ana. As descrições do local são belíssimas, a sua amizade com Diana e rivalidade com Gilberth criam situações divertidas. Mas é o modo como vê a vida (seja na descrição do bosque ou no sonho de um vestido com mangas de balão) que conquista quem lê. A “margem para a imaginação”, para usar a sua expressão que vai surgindo ao longo do livro. A fantasia e a capacidade de criar e recriar cenários serve aos adultos e às crianças. No final, quando fechei o livro tive pena de não poder acompanhar mais aventuras de Ana, que termina a história no limiar da vida adulta, com sonhos, limitações e a perspectiva sempre salutar de que há curvas no caminho. Sempre um motivo para ter esperança por mais escuro que seja o presente. 
E já decidi que vou tentar ler mais livros infanto-juvenis no futuro.


Sem comentários:

Enviar um comentário